NELAS VEJO MINHA ALMA

NELAS VEJO MINHA ALMA
A suprema felicidade da vida é ter a convicção de que somos amados.

Seguidores

quarta-feira, 11 de março de 2009


É velho o céu e velhas as suas nuvens
imotas de cansaço e de velhice,
sofre a cor de múltiplas salsugens
e o vento é a voz de um som que não se disse:

as árvores são ontens diminutos,
que compõem quilômetros parados
à procura de flores e de frutos
perdidos na espessura destes prados:

resto de vôo roça o resto azul
escondido detrás de escuso monte,
do qual norte escorreu, buscando sul;
um rio sepultado sob a ponte,

sob a ponte de pedra apodrecida,
sob a ponte sem grades e sem gente,
sob a ponte parada e desvivida
que repensa o rolar de uma água ausente;

encolheu-se a paisagem fatigada
de haver sido e de sempre ser paisagem
junto da sempre curva e sempre estrada
que passa com seu sempre pó de viagem;

sobre a gasta igualdade que rói tudo
a mesmíssima lua simples, alva,
mais uma vez, no mesmo palco mudo,
desfaz da noite o amargo sobretudo,
com o refulgor da sua triste calva.


Abgar Renault

Nenhum comentário:

Postar um comentário